Eles amam seus algozes-1: Datafolha revela o tamanho da estupidez da direta brasileira e o crime histórico que cometeu

Publicada: 26/12/2017 - 10:31


.Os ditos liberais (a maioria é falsa como uísque paraguaio; gostam mesmo é fascismo caipira) e conservadores brasileiros deveriam fazer como não faz o avestruz: enfiar a cabeça num buraco. A sua adesão estúpida ao lava-jatismo, como já está demonstrado, ressuscitou Lula e o PT. Mas esse é ainda mal de superfície. O desastre é bem maior, como revela pesquisa Datafolha (veja posts com detalhes). A esmagadora maioria dos brasileiros é contra as privatizações (70% a 20%). Num único grupo — os que ganham mais de 10 mínimos —, a venda de estatais conta com mais da metade das adesões: 55%. Os gráficos foram publicados pela Folha.

Eis aí a que nos levou o combate à corrupção como ponto de chegada da política, não como aquilo que deve ser: um mero instrumento em favor da eficiência e da decência. Desde que explodiu o mensalão — SIM, ESCREVI MENSALÃO MESMO! —, advirto para o fato de que os adversários do PT e do petismo falham miseravelmente em demonstrar que o descalabro só assume dimensões pantugruélicas por causa do gigantismo estatal.

O petrolão deu a chance de ouro aos liberais (o diabo é que a maioria é falsa) e aos conservadores de evidenciar, pelo caminho do exemplo, o que é o estatismo.

Em vez disso, os ditos adeptos da “nova política” resolveram sair por aí a caçar e a cassar políticos — e a própria política — com sua pautinha mixuruca e sua conversa para excitar medianos raivosos:
– fim do foro especial:
– fim do financiamento de campanhas por empresas;
– 10 medidas contra a corrupção (quatro eram fascistas);
– armamentismo;
– ah, sim: arte sem peru e perereca também é fundamental…

Puro lixo mental! Além de irrelevante no combate à corrupção. De quebra, ainda agridem o Estado de Direito.

Ora, poucos se deram conta de que a gritaria histérica contra a corrupção, mesmo vitimando políticos da esquerda à direita, reforça, como valores básicos, alguns pressupostos que são da… esquerda!

“Como, Reinaldo?” Deveria ser elementar, mas não é: à medida que se veem os políticos e a política como meras forças de assalto a um Estado que, sem esses malvados, seria virtuoso, o que se faz é ignorar a natureza primária desse estado, que é espoliador desde a sua gênese, já na sua concepção. Ainda que todos os políticos brasileiros fossem santos, lá estaria a máquina geradora de ineficiências.

A direita não se deu conta de que, ao se ajoelhar no altar de Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e Rodrigo Janot, acendia velas para o capeta. Este escriba bem que advertiu, como sabem: “Olhe, isso está fortalecendo o discurso estatista; isso está fortalecendo a ideia de que uma burocracia sem rosto e supostamente neutra deveria governar o país: convenham, é tudo o que a esquerda quer porque ela acredita poder hegemonizar esse processo”.

E está prestes a fazer isso de novo. E, desta feita, com um estoque imenso de instrumentos de exceção que foram sendo empregados pela Lava Jato. Daqui a pouco, isso tudo pode estar nas mãos dos vermelhos. Aí é o caso de alguns idiotas começarem a cuidar do próprio pescoço. O pior é que os não-idiotas também serão vitimados.

Não tenham dúvida: Lula — ou aquele que escolher como preposto — vai ameaçar o país pela quinta vez com a… venda, que nunca ocorrerá, da Petrobras!

Essa pesquisa expressa, na verdade, uma tragédia intelectual. O discurso antipetista foi sequestrado pelo antilulismo chulo e pelo lava-jatismo vulgar. E o que é que deu? Estatismo na cabeça!

Esses grupos de direita que estão por aí abandonaram a pauta liberal e falharam em demonstrar que o verdadeiro inimigo é o tamanho do Estado. Estavam muito ocupados caçando tarados, pedófilos, veados, feministas… Vocês sabem: essas coisas que realmente calam fundo na alma daqueles 73% que têm até o ensino fundamental e que são contrários às privatizações.

Essa história ainda terá de ser contada. E vai ser.

Recomendado para você


Comentários