Huck era o Plano B do alto tucanato; em linguagem épica, um “cavalo de Troia”: Soletrando 3

O PPS já se ofereceu como barriga de aluguel de Ciro Gomes em 2002, de Marina Silva em 2014 (ela recusou) e de Luciano Huck em 2018. Não me parece que seja esse um papel muito edificante

Publicada: 27/11/2017 - 8:11


 

O cavalo do filme “Troia”, de Wolfgang Petersen: parece uma coisa, mas é outra

Bem, lá se foi mais essa ilusão. E, sempre que a política adere ao realismo, acho isso bom. E realismo não quer dizer sem-vergonhice, é bom que fique claro desde sempre.

Ademais, falta evidenciar algo que nunca se esclareceu na postulação de Luciano Huck. Já que ele recorreu à Odisseia, cumpre notar que sua candidatura tinha características de cavalo de Troia, não é mesmo? Trazia no seu interior alguns tucanos descontentes com o partido ou que já optaram mesmo pela dissidência — ou, sei lá, desistência.

Há quem não aposte, e não estou fazendo juízo de valor, mas apenas um registro, que a candidatura de Geraldo Alckmin possa empolgar o suficiente. Luciano, que não é um desses populistas vulgares que os meios de comunicação fabricam às vezes, era uma espécie de “hedge”, de proteção, de segurança, para a hipótese de isso acontecer. Vínculos familiares e outras afinidades eletivas o aproximam da elite empírea do tucanato, que não via a candidatura com maus olhos. Muito pelo contrário.

Não por acaso, um partido muito próximo dos tucanos — nanico, sim, mas tido como respeitável — lhe ofereceu a legenda: o PPS. O partido flertou até com a possibilidade de passar a ser chamar “Agora”, o que não deixa de ser um vexame considerável, não é?

Não faz bonito o partido. Em 2002, abrigou Ciro Gomes, que nada tinha a ver com a legenda. Quando Marina Silva teve negado o registro do Rede para a disputa de 2014, lá estava o PPS disposto a abrigá-la — ela acabou escolhendo o PSB como morada transitória. E, desta feita, mais uma vez, o PPS se ofereceu para ser barriga de aluguel.

Não chega a ser algo de que os dirigentes partidários devessem se orgulhar, não é mesmo?

 

Recomendado para você