Juros reais são de 2,92%. Já houve taxa mais baixa? Já! No governo Dilma! Pena que os juros reais, então, fossem… irreais!!!

O país tem a mais baixa taxa nominal de juros na vigência da Selic; desta feita, a queda também dos juros reais encontra uma inflação que está abaixo do piso da meta, não muito acima do centro, como ocorreu no governo Dilma, que caminhou para estourar também o teto

Publicada: 07/12/2017 - 4:04


Não adianta. Por mais que se assanhe a conjuração de idiotas, pessimistas interessados, vigaristas, fascistas de esquerda, fascistas de direita e gente de cabeça preta e oca, o fato é que a economia brasileira vai encontrando o seu caminho. O que não quer dizer que não possa se perder. É claro que pode. Basta que o país não faça, por exemplo, a reforma da Previdência, e os problemas virão, estejamos certos disso como o suceder de dias e noites.

O Comitê de Política Monetária do Banco Central baixou a Taxa Selic para 7% ao ano e sinalizou que, em fevereiro, pode haver um novo corte de 0,25 ponto. Aí, dá a entender o próprio Banco Central e, do mesmo modo, avaliam os operadores do mercado, será preciso esperar. A eleição será um fator de estabilização ou de desestabilização. Depende do que virá pela frente, não é? Haverá um favorito com os meridianos no lugar? O país vai escolher um doidivanas? Sua Excelência “O Povo” indicará o caminho. Na democracia, é muito difícil negar a máxima de que cada povo tem o governo que merece.

Caso a Câmara aprove a reforma mitigada da Previdência ainda neste ano, ficaremos por conta do Senado. Sendo boas as perspectivas e não havendo pela frente terror eleitoral, a trilha parece segura. Com a queda da Selic nesta quarta, os juros nominais chegam a seu número mais baixo.

Mas e a taxa real, descontando-se a inflação? Bem, aí as coisas mudam um pouco de figura, embora as notícias continuem boas. Não basta, leitor, descontar os praticamente 3% de inflação de 2017 (o esperado é 3,03%) dos 7% da taxa de juros, caso em que os juros reais seriam de 4%. A conta é outra: é preciso considerar os 7% num período de 12 meses em face do IPCA (inflação) projetado também em 12 meses. E este, estima-se, é de 3,96%. Ainda assim, também não basta subtrair 3,96% de 7%, caso em que os juros reais seriam de 3,04%. Na verdade, eles são um pouco menores. Com a nova Selic, ficaram em 2,92%. Existe uma fórmula para o cálculo do juro real, a saber.

Taxa Real =  1 + Taxa Nominal  – 1 X 100
                          1+ inflação

Se a Taxa Nominal é de 7%, podemos expressá-la em números decimais, a saber: 0,07
Fazendo-se o mesmo com a inflação, tem-se 0,0396

Vamos submeter os dados à fórmula:
Taxa Real = 1 + 0,0700  – 1 X 100
                     1 + 0,0396           

Taxa Real = 1,0700 – 1 X 100
                     1,0396

Taxa Real = 1,0292 – 1 X 100

Taxa Real = 0,0292 X 100

Taxa Real = 2,92%

Sim, em dezembro de 2012, no glorioso governo de Dilma Rousseff, o país teve juro real menor: 1,39%. Acontece que já estávamos sob o império da irresponsabilidade que redundaria no desastre. Era o juro real mais baixo da história recente, mas com inflação de 5,84%, bem acima do centro da meta, que era de 4,5%.  Em 2013, ela saltou para 5,91%; 6,41% em 2014 e 10,67% em 2015.  A síntese daqueles anos do samba-do-petista-doido poderia ser esta: os companheiros tentaram baixar juros na porrada porque, ora vejam!, achavam que, assim, dinamizariam a economia, o que concorreria para baixar a inflação. Que, por óbvio, subiu em vez de cair. Aí foi preciso elevar juros, o que contribuiu para aprofundar a recessão, mas com inflação nos cornos da Lua.

Não pensem que tanta incompetência é coisa corriqueira. Não é, não.

O que estou dizendo é que o país, agora, tem a menor taxa nominal de juros de sua história e a mais baixa taxa de juro real que é, digamos, REAL: vale dizer: o presidente não resolveu dar um murro na mesa para forçar a queda. Ademais, a inflação está abaixo até do piso da meta.

Recomendado para você


Comentários