Datafolha 1: Entre os que rejeitam o governo, mais da metade afirma ser a economia a causa principal; a corrupção aparece em terceiro lugar

Publicada: 14/06/2018 - 7:17


O povo acha? O povo é soberano no seu achar. Mas eu me reservo a prerrogativa de também achar que esse povo pode estar errado. E muito errado. Segundo pesquisa Datafolha, a maioria das pessoas que rejeitam o governo de Michel Temer — 82% de ruim e péssimo — o faz em razão do desempenho da economia. O Datafolha registrou o que as pessoas disseram, mas não acredito no resultado. Acho que ele está sendo falseado pelos próprios entrevistados. Por que digo isso?

Instados a dizer a razão da rejeição, pouco mais da metade — 51% — citou o desempenho do presidente na economia. Mais do que o dobro dos que afirmaram reprová-lo, vamos dizer, de forma geral: 21%. Há dados aparentemente surpreendentes, mas que precisam ser bem entendidos: a corrupção aparece apenas em terceiro lugar, com 15%, seguida por falta de investimento em saúde (11%), em educação (9%) e greve dos caminhoneiros (6%). Entre os críticos do desempenho econômico de Temer, os principais problemas são o desemprego (13%), o preço dos combustíveis (13%), impostos (10%), alta dos preços (9%).

Vamos ver. O desemprego está na faixa em que Dilma o deixou. Saúde, educação e outras áreas sociais não pioraram. Ainda que ninguém deva se ufanar de suas qualidades, a verdade é que não se deve colocar a dificuldade na conta do governo Temer. Pode-se afirmar com certeza que os serviços prestados não estão piores do que naqueles dias em que a ex-presidente petista era considera “boa ou ótima” por 65% dos entrevistados.

Ora, é justamente na economia que o presidente Temer tem seus feitos mais relevantes. “Ah, Reinaldo, vá combinar isso com quem responde pesquisa”. Eu não! Fato é fato. A inflação estava na casa de 10% na gestão petista e hoje está abaixo de 3%. Os juros nominais caíram de 14,25% para 6,5% — temos também os juros reais mais baixos da história. Em seu último ano de governo (2016), Dilma produziu uma recessão de 3,6%; no anterior, de 3,8%; em 2014, crescimento de apenas 0,1%.

Ok. A população, ou quem responde pesquisa, tem o direito de achar que Temer deveria ter transformado o país num paraíso em seus dois anos. E, como não transformou, então pau nele! Afirmar, no entanto, que é a economia o principal fator de rejeição, tudo indica, é só um problema de não-coincidência entre a coisa e seu nome.

Continua aqui

Recomendado para você