HÁ PRECISAMENTE UM ANO, ANTEVI EM TRÊS POSTS QUE AS BARBARIDADES DA LAVA JATO E AS BURRICES DA DIREITA XUCRA RESSUSCITARIAM LULA E O PT. VIREI ALVO DOS IDIOTAS. EU ESTAVA CERTO, E ELES, ERRADOS. COMO SEMPRE! AGORA LHES RESTA, DE MODO PATÉTICO, COMEMORAR A CONDENAÇÃO DO PETISTA. OS NOSSOS FALSOS LIBERAIS TROCARAM A POLÍTICA PELA POLÍCIA E A URNA PELO TRIBUNAL. A MAIOR DE SUAS COVARDIAS É IGNORAR CONQUISTAS DO GOVERNO TEMER. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

Publicada: 14/02/2018 - 3:35


Há exatamente um ano, na manhã do dia 14 de fevereiro de 2017, escrevi três posts neste blog alertando os ditos movimentos de rua e aqueles que se diziam liberais para a armadilha a que nos conduziam a Lava Jato, Rodrigo Janot, Deltan Dallagnol e outros celerados institucionais. Os respectivos títulos não deixavam a menor dúvida sobre a abordagem. Os textos seriam de uma eloquência premonitória se eu não estivesse lidando com ciência política:
– Revolução dos idiotas 1 – PT faz direita xucra zurrar de prazer;
– Revolução dos Idiotas 2 – Esquerda exige direita xucra nas ruas;
– Revolução dos Idiotas 3 – Discurso da Lava Jato absolve o petismo

Os três post seguem republicados abaixo deste.

ANTES QUE CONTINUE, UMA OBSERVAÇÃO: PARA MIM, SÃO TEXTOS DE UMA IMPORTÂNCIA CAPITAL. COM ELES, EU ROMPIA A LINHA DA TOLERÂNCIA COM A BURRICE DA DIREITA E DE OPORTUNISTAS QUE SE DIZIAM LIBERAIS. O QUE SE DESENHAVA ERA ÓBVIO A QUALQUER UM QUE TIVESSE UM MÍNIMO DE FORMAÇÃO POLÍTICA E DE INFORMAÇÃO HISTÓRICA. INFELIZMENTE, NÃO ERA O CASO DE ALGUMAS CAVALGADURAS QUE SE APRESENTAVAM PARA “LIDERAR O POVO”. SIGAMOS.

Explico as circunstâncias daqueles posts. No dia anterior, 13 de fevereiro de 2017, um dos grupos que ganharam visibilidade com a mobilização de parte considerável da população brasileira em favor do impeachment de Dilma Rousseff marcara para o dia 26 de março então vindouro uma manifestação “Fora,Temer”, como se fosse um grupelho de esquerda qualquer. No dia 14, outro desses grupos aderiu ao protesto.

Alguns dias depois, resolveram corrigir um tantinho a pauta. Comentei num daqueles posts a alegada razão da dita manifestação:
A pauta exala aquele moralismo rombudo, que chamo de “túmulo da moral”:
– em defesa da Lava Jato (ela está sob risco)?;
– contra Moreira Franco ministro;
– contra o “foro privilegiado”;
– pela diminuição do número de deputados e senadores;
– que todos os acusados e investigados deixem o governo imediatamente…”

Não mais do que meia-dúzia de gatos-pingados nas ruas então. Entre estes, quem ganhou visibilidade? Ora, os bolsonaristas. E o que eles gritavam? “Fora, Temer” e “Fora, Todo Mundo”. Há uma incrível coincidência espiritual entre Deltan Dallagnol e Jair Bolsonaro, não é mesmo?

A adesão ridícula ao dito protesto, note-se, evidenciava, também pelos números, o que se sabia por experiência histórica: a população havia dado os movimentos à luz; não foram os movimentos que inventaram a população, como alguns querem fazer crer. Ou milhões teriam ido às ruas, certo?

Crítica dura
Critiquei, sim, duramente, a manifestação. A partir daquele dia 14, passei a usar a expressão “direita xucra” para designar os cretinos que, sob a bandeira da moralidade, expelem boçalidades sem modéstia e pavimentam o caminho da vota das esquerdas ao poder.

Passei a ser demonizado nas redes sociais e em sites e blogs — alguns com cara; outros, meros fantoches de canalhas grandes e pequenos. Ocorre que eu estava certo, e eles, errados. Não suportavam que eu apontasse o óbvio: a Lava Jato estava destruindo a política e os políticos, ao misturar alhos e bugalhos, e, assim, ESTAVA RESSUSCITANDO O PT.

Eu já havia feito tal advertência no fim de 2016 na rádio Jovem Pan, na Folha e neste blog — que ficava hospedado na VEJA (só comecei a fazer comentários na Rede TV em fevereiro do ano passado).

“O Reinaldo está louco!”
Foi o que mais ouvi: “O Reinaldo está louco! Onde já se viu falar em ressurreição do PT? O PT está morto, e Lula será preso amanhã.” O PT chegou a ser destroçado, sim, em 2016. Mas a Lava Jato o reconstruiu.

Três dias depois daqueles posts, em 17 de fevereiro, escrevi numa coluna da Folha a frase que já é histórica: “Se todos são iguais, então Lula é melhor”.

A ascensão de Lula
Quando comecei a chamar atenção para a estupidez da Lava Jato e daqueles que a incensavam, Lula tinha 25% das intenções de voto, conforme evidencia pessquisa Datafolha de 12 de dezembro de 2016.

Em maio, menos de três meses depois daqueles textos, ele já havia atingido o patamar de 30%. Mas isso era muito pouco pra dar conta do desastre em curso, que se realizava precisamente como antevi. Nessa pesquisa, Lula venceria Aécio por 43% a 27% – meros cinco meses antes, havia empate técnico: 38% a 34%. O petista já batia Geraldo Alckmin por 43% a 29% — no levantamento anterior, empate: 38% a 34%. Também chegava junto com Marina Silva, embora numericamente atrás: 43% a 38%; em dezembro do ano anterior, ela venceria por 43% a 34%.

A Lava Jato e a direita, no entanto, seguiram firmes: esta última, com sua fabulosa estupidez. Vejam as lideranças mais salientes da direita brasileira que andam por aí. Um bom jeito de praticar um atentado terrorista contra os bravos é lhes dar um livro de presente. Não conseguem entender a sua utilidade porque não enxergam no material a necessária porosidade do papel higiênico.

Nesse mês de maio de 2017, veio à luz a patuscada golpista que tentou depor Michel Temer. Afinal, a Lava Jato era mesmo incansável, não é? E os ditos movimentos de rua passaram a competir com o bolsonarismo para ver quem conseguia dizer as coisas mais grotescas e emplacar a pauta mais reacionária. Sérgio Moro condenou Lula (sem provas, diga-se!, mas liberais não objetam porque praticamente não os há), Antonio Palocci só não acusou o chefão petista de ressuscitar Lázaro. O TRF-4 confirmou e agravou a pena do ex-presidente…

Não obstante, Lula se mantém no patamar acima dos 35% (36% ou 37%) e bateria com folga os possíveis adversários.  Por que se chegou a isso? Ora, meus queridos, nada como vocês experimentarem os textos que completam hoje seu primeiro aniversário. Prefiro que vocês leiam o que antevi (os que não leram ou não se lembram). Explicar agora é tarefa fácil. E eu gosto das tarefas difíceis.

Leiam e depois confrontem com o que andaram a dizer alguns picaretas cujo trabalho passou a ser criticar Reinaldo, discordar de Reinaldo, atacar Reinaldo… Gente que, em suma, tem existência apenas derivada.

Eu acertei.

Eles erraram.

Agora, patéticos, torcem desesperadamente para que Lula seja preso e, assim, não possa participar da campanha. E são obrigados a comemorar um vexame: ele só não será presidente do Brasil a partir de 1º de janeiro de 2019 porque já está inelegível.  Mas ainda tem condições de fazer um candidato competitivo.

Parte desse desastre não se explica pela burrice, que é gigantesca. Há também muito de covardia. Desafio qualquer um, de qualquer corrente ideológica, a citar um governo que tenha desempenho ao menos semelhante ao de Michel Temer com menos de dois anos de mandato. E tendo de enfrentar duas tentativas de golpe.

Não obstante, aqueles mesmos bananas que ajudaram a ressuscitar Lula e o PT — nesse caso, obviamente, excluo a Lava Jato… — não tem a coragem de fazer a devida defesa não do governo, mas de suas conquistas. A esquerda faz tabula rasa de uma gestão virtuosa, e os canalhas do outro lado se calam, pensando unicamente nos seus próprios interesses, uma vez que muitos de seus próceres estão disputando uma vaga no Parlamento.

Isso explica que irrompa no cenário um Luciano Huck. Mas esse será assunto para outro post.

Leiam os posts abaixo. É importante ter memória — que seja memória histórica. Sem ela, o futuro vai repetindo o passado, num “museu de grandes novidades”, como cantou Cazuza.

Aliás, isso a que chamam “nova política” não passa de um amontoado de quinquilharias, embrulhado pelo marketing mixuruca.

Recomendado para você