OS BOLSONAROS E O TALIBAN 1: Michelle manda tirar obras sacras do Alvorada; atitude lembra a destruição dos Budas de Bamiyan

Publicada: 18/12/2018 - 8:16


Naquele buraco, ficava um dos Budas de Bamiyan, destruídos pelo Taliban, a Michelle Bolsonaro das artes do Afeganistão. Os terroristas achavam que a imagem agredia o “verdadeiro Deus”

É uma vergonha! Se não houver um recuo, obras sacras serão retiradas do Palácio da Alvorada, futura morada do casal Bolsonaro, porque Michelle, primeira-dama a partir de 1º de janeiro, não as quer lá. Evangélica da Igreja Batista, ela se indispôs com a temática religiosa das obras de arte, de inspiração católica. A notável senhora deve considerar que tais manifestações são incompatíveis com a sua crença. Trata-se de um despropósito, de um despautério, de uma agressão à pluralidade, às artes, à cultura, à história e à tradição brasileiras. Qual é a diferença entre a decisão de Michelle e a dos terroristas dos Taliban, que mandaram dinamitar os dois Budas de Bamiyan, no Afeganistão? Em essência, nenhuma. É apenas de grau. Sim, claro!, o destino das obras é outro: Michelle mandou tirar da sua vista; os terroristas deram um fim nas esculturas do Século V, que precediam a existência do próprio islamismo. Então o que há em comum? As duas posturas se caracterizam por intolerância religiosa e acreditam que seu Deus, ou sua forma de entendê-lo, deve ter um poder normativo que apaga até a história do país em que atuam.
Continua aqui